Arquivo da categoria: Boletim

Contribuições para o debate sobre os protocolos apresentados pelo governo do estado

Por MPP Escola do Povo

A importância da escola ficou explícita durante este período de isolamento social e de suspensão das aulas. Por isso, o Movimento Popular Pedagógico Escola do Povo propõe que, antes de pensarmos em voltar às aulas presenciais, temos que refletir sobre o que aconteceu com as comunidades escolares nestes meses. As medidas que foram tomadas pelo governador Eduardo Leite (PSDB) e seu Secretário de Educação, Faisal Karam foram realizadas sem diálogo e sem o envolvimento com as entidades vinculadas a educação.

A maior parte das atividades produzidas e enviadas pelo professorado, no calor das emoções e da pressa, priorizaram o conteúdo em lugar do pensamento. Num período em que o importante deveria ser o pensar, conviver, agir e adaptar a esta nova situação, aprender dela para crescermos todas e todos juntos. E esta oportunidade se perdeu e está se perdendo com as exigências burocráticas da SEDUC, sobretudo a partir das orientações procedimentais acerca das aulas remotas (não presenciais) e do Plano Emergencial de aulas não presenciais por meio dos Relatórios das Aulas Programadas de março até abril, que não são mais que tabelas, planilhas, números que servem apenas para prestar contas à sociedade que algo foi feito. Com isso o governo desconsidera que grande parte das e dos estudantes não tiveram acesso à educação por questões estruturais (a falta de equipamentos adequados, sem sinal de internet), por questões econômicas, e por questões de saúde (da proteção sanitária à saúde mental).
 
  Continue lendo

Em defesa da vida de toda a sociedade

Por MPP Escola do Povo

EM DEFESA DA VIDA DE TODA A SOCIEDADE

Ao fechar a primeira semana de distanciamento controlado, o RS tem aproximadamente 5 mil casos e quase 170 mortes por causa do coronavírus. A defesa de ampliação do isolamento social deve ser defendido por todos os setores e junto a isso precisamos exigir que as medidas adotadas pelo governador Eduardo Leite possam garantir a saúde, a segurança e a proteção de todas as trabalhadoras e trabalhadores.

O documento que circulou informalmente nas redes sociais, nos últimos dias, demonstra que a SEDUC segue a linha de trabalhar sem dialogar com o Sindicato e a categoria. O governo, na contramão daquilo que diz, prepara um documento sozinho, sem conversar com nenhuma entidade da área da educação. Os países que já retomaram as atividades de ensino já constataram o aumento do número de pessoas infectadas, o que exige de nós, ainda mais cautela, pois estamos ausente de uma articulação nacional tanto para saúde quanto para educação.

Continue lendo

Os educadores, o CPERS e a conjuntura

materia-785x400

Por MPP Escola do Povo

OS EDUCADORES, O CPERS E A CONJUNTURA

Na semana em que o Brasil ultrapassou a marca de 10 mil mortes por causa do coronavírus, o Presidente editou um decreto ampliando as atividades consideradas essenciais. No RS, Leite cedeu à pressão do setor empresarial e permitiu a abertura de escolas privadas. Diferentemente do que dizem, para eles em primeiro lugar está o lucro e não a vida.

A redução das taxas de lucro tem aprofundado ainda mais a crise do capitalismo, mas, ao mesmo tempo ele aprofunda a exploração sobre as(os) trabalhadoras(es) retirando seus direitos básicos. Para isto recorre a governantes de extrema direita, como Trump e Bolsonaro, este com claras inclinações golpistas e fascistas. A democracia está ameaçada em nosso país, assim como a vida das(os) brasileiras(os), por um governo que debocha da morte de milhares de vítimas da pandemia. Por isto a luta contra as difíceis condições salariais da categoria, atrasos e parcelamentos deve ser levada junto a DEFESA DA DEMOCRACIA e do afastamento de Bolsonaro. Sem democracia a luta será muito mais difícil e a exploração se aprofundará.

Uma entidade com a expressão do CPERS precisa ter mais presença nesta luta e ao lado das demais categorias e das Centrais Sindicais, deve assumir a defesa da vida, de viver com dignidade e contra a lógica do capitalismo predador e exploratório.

Continue lendo